22°C 30°C
Boa Vista, RR

É preciso desenvolver o pensamento mais eloquente, mais elegante e mais útil nos estudantes

Nesta continuação do artigo "Evasão escolar no Ensino Médio: falha no currículo e ausência de políticas públicas", o professor Rossiter Ambrósio segue sua reflexão sobre o verdadeiro papel do professor e da escola no ensino de Matemática

02/02/2023 às 19h33 Atualizada em 02/02/2023 às 20h17
Por: Rossiter Ambrosio Fonte: Conexões Matemáticas
Compartilhe:
Imagem de Gerd Altmann por Pixabay
Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

A matemática não foi inserida na escola para entregar coisas fáceis, a matemática foi inserida no currículo escolar com o objetivo de ajudar os estudantes desenvolver raciocínio lógico, pensamento hipotético dedutivo por meio de resolução de problemas, para preparar os estudantes no enfrentamento de coisas difíceis da vida para a vida.

Desde a publicação dos PCN´s, os professores são orientados por meio dos documentos curriculares oficiais do MEC, que o ensino de matemática tem que ser apresentado ao aluno por meio de problemas, por situações problemas que os façam pensar e, as contas como costumam falar popularmente, são meros algoritmos e modelos mentais usados como ferramenta para tal objetivo de ensino – Pensar logicamente para tomada de decisões exultantes! 

Na teoria sobre os Registros de Representações Semióticas, Duval (2009) apresenta os objetos matemáticos como ferramentas para o desenvolvimento das habilidades matemáticas lógicas. Considerando que os objetos matemáticos não possuem uma lógica visível. Ou seja, não são visíveis aos estudantes. Ao professor é dado o desafio de torná-los acessíveis e lógicos para o estudante. 

Nesse contexto de aprendizagem, o professor é o sujeito responsável pela gestão das ferramentas matemáticas. É sua atribuição, promover o desenvolvimento do pensamento mais eloquente, mais elegante, mais útil e efetivamente lógico. As aulas de matemática na escola devem ser voltadas a esse objetivo base. 

É nas aulas de matemática que os estudantes aguçam o pensar de modo lógico e tornam-se mais competitivos no mercado de trabalho e saem na frente nessa sociedade do one click, dominada pelo smartphone e marcadas por blind peoples, (seres humanos fragilizados que buscam resolver seus problemas de modo rápido, fácil e monetizado).

Penso que é razoável afirmar que a escola tem competido com essa perspectiva social de avanços tecnológicos que embora tenha benefícios inegáveis, faz com que os alunos entram em crise de objetivos sem compreender o objetivo da matemática que é transformá-los em seres pensantes. 

A matéria ouvida no rádio me remeteu ao tempo em que eu fiz meu mestrado, quando visitei vários documentos nos quais constavam comentários e críticas ao ensino de matemática. De acordo com os documentos lidos, desde a década de 60, quando se iniciou o movimento da Educação Matemática para reformulação do currículo desse componente escolar, a Matemática é apontada como a grande causa da evasão escolar.

Atualmente, verifico que essa questão é recorrente e que deveria ser tratada, em partes, em termos de formação inicial e continuada para os professores, que na maioria ainda não sabem como ensinar por meio de resolução de problema e, conforme o quadro de situações vivenciadas no período de aulas remotas impostas no período de isolamento social, para controle da pandemia do Covid-19, pelo menos 30% dos professores/escola, apresentaram limitações para uso de dispositivos tecnológicos.

É atribuição do professor de Matemática promover o desenvolvimento do pensamento mais eloquente, mais elegante, mais útil e efetivamente lógico 

Em contrapartida, vivemos em um tempo no qual o professor para iniciar a aula precisa resgatar o aluno de um estado de hipnose tecnológica causada pelos App do smartphone e, de forma humilhante precisa lembrá-lo que estão em sala de aula e, pedir que por gentileza o mesmo retire boné, capuz, desligar o aparelho celular e guardar o phone de ouvidos.

Estes cenários explicam que a matéria ouvida no rádio é um reflexo dos problemas presentes na realidade atual da sala de aula e mostram que a escola pode está sucumbindo diante dos movimentos transculturais que não estão encontrando espaço e adequação nos modos operantes do currículo escolar.

O abandono Escolar é mais bem percebido no Ensino Médio, por que se trata do nível escolar que recebe os Jovens e adolescentes que precisam ausentar-se da escola para manter-se no mercado de trabalho, em função da sobrevivência da família. Fato que aponta para a necessidade de reforma curricular que deveria apresentar propostas de bolsa de estudo ou de estágio para jovens adolescente que enfrentam o dilema de seguir nos estudos ou de garantir a sua sobrevivência e ajudar na manutenção da família. 

Portanto, além de formação continuada para os professores, são necessárias mudança curriculares aliadas a políticas públicas que fomentem a vivência e garanta a permanecia dos estudantes na escola.

Rossiter Ambrósio dos SantosDoutor em Ensino de ciências e matemática pela REAMEC, da Universidade Federal do Mato Grosso. Phd em Didática do ensino de matemática

NOTA DO EDITOR: A coluna do professor Rossiter Ambrósio deveria ter sido publicada na quarta-feira, dia 1 de fevereiro, mas em decorrência do apagão da Internet em Roraima, acabou não sendo publicada pelo que pedimos sinceras desculpas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
O “inferno astral” dos imigrantes digitais!
TECNOLOGIA NA ESCOLA Há 1 ano Em Conexões Matemáticas

O “inferno astral” dos imigrantes digitais!

O medo de ser substituído por um computador em sala de aula, foi superado ao percebermos que não éramos o alvo. Na verdade, o alvo são os estudantes, a demência social, a cretinice da massa para domínio e submissão a um sistema! Existem várias formas de desconfigurar a função social do professor. A mais violenta pode ser desvirtualizar a educação de uma geração, tornando a escola irrelevante para os estudantes e enfraquecendo a função do professor. Presume-se urgência de inovação no paradigma escolar que é persistente em seus “modus operandi” e que me parece repousar num berço esplêndido dos ideais capitalistas, dignos das escolas jesuíta, praticado no período do Brasil colônia, século XV! (Reflexões expressas do autor)
Não há receita pronta. Cada um faz seu caminho!
ENSINO DE MATEMÁTICA Há 1 ano Em Conexões Matemáticas

Não há receita pronta. Cada um faz seu caminho!

À guisa de introdução, a coluna de hoje apresenta uma resposta dada à seguinte questão: “Onde pretendemos chegar com os projetos de pesquisa em educação matemática”? Esta pergunta foi o tema da palestra de encerramento do I Encontro de Projetos de Pesquisa em Educação Matemática, encomendada pelo Departamento de Matemática (DMAT), da Universidade Federal de Roraima (UFRR), para o dia 18 de maio de 2023.
Os números não mentem!
MATEMÁTICA APLICADA Há 1 ano Em Conexões Matemáticas

Os números não mentem!

Há três tipo de mentira; a mentira, a mentira suja e a estatística. (Benjamin Disraeli, s/d).
O combinado não sai caro!
ENSINO DA MATEMÁTICA Há 1 ano Em Conexões Matemáticas

O combinado não sai caro!

O sucesso no estudo da matemática está garantido àqueles que tão somente entenderem a matemática como um campo de conceito que são comunicados por meio de registros específicos com uso de uma linguagem própria.
Conexões Matemáticas
Sobre o blog/coluna
A Matemática aplicada à sua vida pelo Professor Rossiter Ambrósio.
Ver notícias
Boa Vista, RR
25°
Parcialmente nublado

Mín. 22° Máx. 30°

26° Sensação
2.57km/h Vento
83% Umidade
100% (3.7mm) Chance de chuva
07h00 Nascer do sol
07h16 Pôr do sol
Qua 30° 21°
Qui 27° 22°
Sex 30° 23°
Sáb 31° 23°
Dom ° °
Atualizado às 22h19
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,45 +0,06%
Euro
R$ 5,94 +0,06%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,09%
Bitcoin
R$ 373,653,98 +1,76%
Ibovespa
129,320,96 pts 0.33%
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias