Terça, 25 de Janeiro de 2022
27°

Nuvens esparsas

Boa Vista - RR

Política COMBATE AO CRIME

Operação da PF desarticula esquema que movimentou R$ 50 milhões com tráfico de pessoas em Roraima

A investigação demonstrou que a organização criminosa cobrava até 20 mil dólares para trazer estrangeiros do oriente médio até ao Brasil

02/12/2021 às 07h25 Atualizada em 02/12/2021 às 07h38
Por: Luiz Valério Fonte: Superintendência da Polícia Federal em Roraima
Compartilhe:
Ação da Polícia Federal desarticula quadrilha que atuava na facilitação ida entrada ilegal de estrangeiros do Oriente Médio no B rasil
Ação da Polícia Federal desarticula quadrilha que atuava na facilitação ida entrada ilegal de estrangeiros do Oriente Médio no B rasil

A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje (2) a OPERAÇÃO GANGES*, com o objetivo de desarticular organização criminosa que teria movimentado R$ 50 milhões nos últimos 3 anos com o tráfico internacional de pessoas e a migração ilegal.

Na operação, que acontece simultaneamente em mais três estados, estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª vara da Justiça Federal de Roraima, sendo quatro em Boa Vista/RR, um em Tabatinga/AM, dois em Manaus/AM, dois no em Rio Branco/AC, três em São Paulo/SP e um em São José do Rio preto/SP.

A investigação foi iniciada com a prisão em flagrante de um cidadão Bengalês, frente aos indícios de sua participação em organização criminosa cuja atividade seria voltada à promoção de migração ilegal de bengaleses e outros indivíduos do oriente médio em território nacional.

O suposto chefe do esquema criminoso teve sua prisão decretada pela 4ª vara da justiça Federal em Roraima e, por não ter sido encontrado no país, em agosto de 2021, foi determinada a inserção de seu nome na difusão vermelha da Interpol, o que culminou em sua recente prisão na Colômbia, seguindo-se o processo de extradição para o Brasil.

A investigação demonstrou que a organização criminosa cobrava até 20 mil dólares para trazer estrangeiros do oriente médio até ao Brasil, retendo seus documentos pessoais e mantendo-os em cárcere privado em solo brasileiro, em razão do não pagamento de taxas extras durante a viagem.

As vitimas eram coagidas a prestar falsa notícia de perda da documentação perante a Polícia Civil de Roraima. Assim como, estariam sendo privados de alimentos e de contato com o mundo exterior.

Destaca-se que a organização criminosa em questão teria caráter transnacional com atuação, ao menos, em Bangladesh, Suriname, Guiana e Brasil. *O nome remete ao rio GANGES no oriente médio, no local onde a orcrim atua: Índia, Bangladesch, Paquistão, Afeganistão, dentre outros.

Fonte: Polícia Federal/Roraima

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias